sábado, 15 de março de 2014

Traduzir-se


"Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim 
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte 
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?"

(Ferreira Gullar)

Imagem via page Perceptive Artista do Facebook



Um comentário:

  1. O ser humano é sempre muitos, em regra o tudo e o nada em cada.
    GK

    ResponderExcluir